sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

VAMOS ENTRAR NO BURACO DA FORMIGA...!

A mirmecocoria, síndrome de dispersão de sementes feita por formigas, uma verdadeira interação mutualistíca onde as duas espécies envolvidas (formigas e plantas) se beneficiam. (Vejam o post = Eu mirmecocorizo, tu mirmecocoriza, elas mirmecocorizam para maiores detalhes)

Existe uma hipótese dentro do estudo dessa interação, que diz que o fato da formiga carregar a semente para longe da planta-mãe (que pode secretar compostos secundários que impedem o desenvolvimento das sementes) garante a sobrevivência e germinação da semente e a protege de predadores (besouros, roedores e pássaros). Essa hipótese parece muito plausível,  mas acontece que ninguém comprovou isso ainda. Existem poucos estudos sobre a veracidade dessa hipótese, e os que foram feitos foram feitos com ervas e arbustos e ninguém sabe direito como isso funciona paras as espécies de árvores que são mirmecocóricas!

Os vídeos trazem algumas reflexões sobre o assunto!
OBS - A Espécie Arbórea, que utiliza a síndrome de dispersão mirmecocórica Croton sp é de fato da família das Euphorbiaceas, uma família da qual fazem parte a mamona e a coroa de cristo, por exemplo.
No vídeo eu fico em dúvida uma hora sobre qual a família da Croton mas confirmei a informação e é Euphorbiacea mesmo. A Croton tem sementes apenas em março.
video

video video
video
video

DESCOBERTA DE BACTÉRIA COM ARSÊNICO NO DNA ABRE NOVAS PERSPECTIVAS PARA A BUSCA DE VIDA EXTRATERRESTRE.

      Uma bactéria que utiliza arsênico, no lugar do fósforo, para compor o DNA, foi encontrada em um lago salgado da Califórnia por cientistas da NASA. O arsênico é um elemento tóxico para a maioria dos seres vivos, que, no modo como os conhecemos são compostos por seis elementos básicos: carbono, oxigênio, nitrogênio, enxofre, fósforo e hidrogênio.
    Até essa descoberta recente, as pesquisas e explorações em busca de vida em outros planetas foram feitas sempre com intuito de procurar esses  seis elementos, que são essenciais para a composição da vida como conhecemos. O arsênico é um elemento químico muito próximo do fósforo na tabela periodíca, que geralmente é utilizado para compor a molécula de DNA, no núcleo das células dos seres vivos e também compõe o ATP, a "moeda energética" da célula. A GFAJ-1 (esse é o nome com que batizaram a bactéria "venenosa"), essa bactéria em forma de feijão formando colônias aí em cima, utiliza o arsênico de forma análoga ao fósforo para compor seu DNA e obter energia. O lago Mono, onde essa bactéria foi encontrada é saturado de arsênico e fósforo também, só que de alguma maneira esses organismos se adaptaram ao arsênico.
   O bacana dessa descoberta é que ela abre novas perspectivas para a busca de vida fora da Terra. Agora os cientistas estão formulando a hipótese de que se uma bactéria foi capaz de se desenvolver em um ambiente tão inóspito, por que isso não poderia acontecer em outros recintos do Espaço?
   Uma forma de vida tão curiosa leva a crer que novas e desconhecidas formas de vida são muito possíveis!


Lago Mono, onde a bactéria com arsênico foi encontrada: