segunda-feira, 29 de novembro de 2010

ECOLOGIA DE COMUNIDADES - O retorno.

video
Pra deixar comunitário, como diz o Prof. Fernando!

CAROS! Antes de tudo só quero corrigir uma bobagem que eu falo no vídeo!

HOTSPOT é uma área identificada como portadora de uma biodiversidade alta! São áreas extremamente delicadas e que demandam conservação. Existem 25 apenas no mundo todo e esses 25 hotspots abrigam cerca de 64% de toda a biodiversidade planetária.

Me parece que a prova é nessa semana e o assunto é Padrão de distribuição e riqueza em espécies.

Tem a ver biodiversidade!

Mas não é a biodiversidade que ouvimos falar nos meios de comunicação a toda hora. Essa biodiversidade se refere mais à quantidade de espécies e indíviduos que existe em determinado ambiente. E pode ser chamada também de riqueza em espécies.

Eu estou descobrindo um autor agora chamado Begon, ele é um papa aí da Ecologia e pra ele a biodiversidade deve ser analisada a partir de um enfoque que contemple tantos os fatores bióticos quanto abióticos. Como assim? Segundo a linha de raciocínio do Begon a biodiversidade é mais do que o número de espécies que vivem numa certa área, é a interação entre essas espécies e o meio. É também o conjunto das interações que as espécies vivem e como essas interações, com o meio e com outras espécies, leva a processos evolutivos!

É complexo pra caramba, tem vários modelos matemáticos, mas resumidamente, o Begon fala por exemplo de gradientes de distribuição da riqueza em espécies cresce conforme se aproxima dos trópicos, a riqueza em espécies é sempre maior nos trópicos. Isso por conta de vários fatores: os trópicos são mais expostos  à luz do sol, o que gera uma produtividade bruta (plantas) maior e uma maior diversidade vegetal leva consequentemente a uma maior diversidade animal.

Um outro estudo interessante que o Begon propõe e que vai cair na minha prova é a comparação dos nichos em que as espécies vivem e da sobreposição desses nichos. O nicho, para os leigos em ecologia, é como se fosse... "o emprego" de uma espécie, enquanto o hábitat seria o endereço. O nicho está relacionado com hábitos alimentares da espécie, ou hábitos reprodutivos, ou ainda papel ecológico no ecossistema. Alguns autores gostam de definir o nicho como sendo hipervolumétrico, ou seja como uma representação com várias dimensões (uma dimensão seria o hábito alimentar, a outra o papel na cadeia alimentar e assim por diante). Se levarmos em consideração que numa dada área haverá uma quantidade específica de recursos, teremos que considerar também, que os tamanhos populacionais e, com o tempo, (NÃO NOS ESQUEÇAMOS DA ESCALA), a própria riqueza em espécies (ou biodiversidade) dessa área, flutuará de acordo com a disponibilidade desses recursos.

A natureza é muito sábia e apresenta em diversos processos, um princípio econômico. Por exemplo, segundo esse estudo do Begon o número de espécies ou a riqueza em espécies aumenta conforme os nichos se sobreponham. Mas o que significa isso? A sobreposição de nichos, ocorre quando certos hábitos se misturam, ou se distinguem. Exemplo, espécies generalistas e especialistas. Quando existem espécies especialistas, significa que essas espécies utilizaram apenas uma parte dos recursos disponíveis, uma vez que ela é especialista e se alimenta apenas de determinado alimento específico. Com esse tipo de sobreposição há sobra dos recursos e maior probabilidade de novas espécies se instalando nessa comunidade!

Uma outra coisa interessante é o modo como as espécies se distribuem nas ilhas. As ilhas são bem especiais, elas não seguem os mesmos padrões que o continente, porque é um pequeno espaço de terra cercado por água e esse tanto de água dificulta o fluxo gênico e logo começam a acontecer padrões de distribuição diferentes, endêmicos da própria ilha. Geralmente novas espécies se formam e as vezes o que é comum em um lugar se torna raro na ilha. Achei bacana um comentário do Begon, de que esse racíocínio da ilha se aplica a vários outros tipos de "ilhas", por exemplo, uma árvore muito alta em um mar de árvores (pode existir toda uma comunidade ecológica instalada em um único topo de árvore), ou o topo de uma montanha,, que tem altitude e clima diferente do restante da montanha e consequentemente um outro padrão de distribuição das espécies!

Valeu galera, foi pra só pra esquentar pra prova!

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Violência na Escola??

Oi Galera do Blog, to sumido!

Bem, final de semestre chegando, prazos se esgotando. Estou agora nos momentos finais da monografia que estou escrevendo, cujo tema é A influência do comportamento dos Estudantes na Aulas de Biologia na Escola Estadual Cônego Osvaldo Lustosa.

Ufa, título grande e grande trabalho também.
Já fazem quase uns três anos que fui designado pra fazer estágio nessa escola, é uma escola que fica no alto do morro, conta com uma galera bem diversificada, alunos de várias idades.

Escrever a monografia envolveu todo um trabalho de pesquisa, que compreendeu desde o entendimento do conceito de violencia até estudos da Psicologia da Educação. Eu precisei investigar se aquela escola era de fato violenta, como aparentava ser. A escola é cheia de sinais de violência, uma violência que alguns autores reconhecem como implícita, porque é algo sutil é um tratar revestido de preconceitos da escola para com o aluno.

Foi uma investigação interessante. Pra minha surpresa, eu acabei me afeiçoando à escola e até descobri que ela (a escola) nem é tão violenta assim. Dá pra tomar uns sustos lá dentro, mas nada demais quando comparamos à outras escolas violentas da região e às escolas dos grandes centros urbanos, onde a violência já é parte do dia a dia das pessoas.

Bem, por enquanto é isso pessoal. Essa semana imprimo a mono (acredito que está bem feita!) e dá-lhe datashow e gogó e cérebro bons pra apresentá-la para a banca (semana que vem socorro!)

P.S. Hoje já é dia 27 de janeiro e apresentei a monografia no dia 15 de dezembro. O sufoco e a ansiedade de fazer uma apresentação importante passaram e vim fazer alguns comentários sobre a experiência. Tirei nota 8,0. Queria ter ficado com 10 mas realmente algumas coisas não saíram tão bem no decorrer da minha pesquisa e por isso foi até uma nota bacana. Acho que fiz a coisa bem feita, preparei uma apresentação bonita, fiz boas fotos para apresentar a escola e os "personagens" envolvidos na monografia. Recebi alguns elogios que levantaram minha estima: "apresentação elegante", "domínio do conteúdo", "futuro grande professor de biologia", "você está muito mais centrado" e "linda dedicatória feita para sua filha!" Po, fui nas estrelas!!

Também recebi algumas críticas da banca que examinou a monografia, um pouco difíceis na hora, porque por mais que eu tivesse feito vários exercícios de respiração, yoga pra ficar tranquilo e dominar a apresentação, o que de fato aconteceu, no momento da crítica eu já estava meio cansado. Mas o tempo passou e refleti e percebi que as críticas também são muito boas. Ser criticado é interessante. Significa que estou mexendo com a percepção de alguém. Significa também um convite a participar mais a fazer cada vez melhor o que me é proposto fazer.

No caso desse trabalho da violência na escola a crítica que achei mais difícil, foi a de que não consegui sistematizar a pesquisa. Ou seja, não apresentei um monte de números para a banca (mas deixei muito claro, desde sempre, no texto e na apresentação, que se tratava de uma pesquisa qualitativa, que é uma metodologia de pesquisa que foca em algum caso, ou em um grupo de estudantes, como no meu caso). E a escola colaborou comigo mas não muito!

Mas enfim, etapa cumprida e alívio nos ombros!