domingo, 2 de setembro de 2012

SOU QUEM SOU GRAÇAS AOS PROTOZOÁRIOS??


Frase clássica da Bio: Nada em Biologia faz sentido a não ser sob a luz da Evolução! Quer um exemplo? Eu não entendia o sentido do crossing over, aquele pedacinho de cromossomo que é trocado de lugar, durante a divisão celular meiótica, até estudar parasitologia. Como muitas espécies de parasitas tem afinidade genética com seus hospedeiros, o crossing over é uma estratégia evolutiva de defesa: a cada geração o material genético produzido é diferente do anterior e assim sendo o parasita não encontra afinidade e também tem que mudar o próprio material genético. Se não fosse pelo crossing over eu não estaria aqui escrevendo e nem vocês lendo, porque os malditos protozoários já teriam acabado com nossos ancestrais. Mais aí beleza, informação muito interessante, to aqui estudando um pouco do comportamento e Evolução dos insetos Eusociais (Formigas,...
abelhas, cupins). Insetos eusociais são aqueles que vivem em colonias e onde há uma geração de indivíduos férteis (Rainhas) e uma geração de indivíduos esteréis (operárias, empregadas que cuidam dos filhotes). A estrutura social é tão organizada que alguns autores chegam a teorizar que um único individuo de uma colonia não é um ser vivo, mas sim toda a colônia, pois quando a Rainha morre todos os outros colonos morrem junto. Mas é questão é: Como evolutivamente isso foi possível? Como a seleção natural permitiu que uma casta que sequer se reproduz permanecesse? Uma das hipóteses diz que isso aconteceu naturalmente a partir do isolamento dos indivíduos mais jovens que eram mais fracos, foram impedidos de se reproduzir e então passavam a cuidar dos filhotes... Mas na comprovação dessa hipótese adivinha em quem eu esbarro? Nos verdadeiros e malditos reis do mundo: os protozoários! Vejam:
“Em cupins deve ter havido uma pressão ecológica adicional para permanecer em casa. Estes insetos digerem celulose através de protozoários que vivem em seus intestinos e precisam ser passados, literalmente, do ânus para a boca de uma geração para outra. Assim, em ancestrais, os jovens cupins tinham que permanecer em casa até estarem completamente infectados com protozoários que digerem celulose. Como uma provocativa observação a parte, vale a pena mencionar a sugestão feita por Richard Dawkins (1979) de que a eusocialidade em cupins evoluiu porque os protozoários manipularam os cupins para que permanecessem em casa, de modo a construir um ambiente ideal no qual os protozoários pudessem crescer e replicar!”
Maldito protozoários! Peguem-nos!